Terça, 20 Setembro 2022 11:44

Alunos com Altas Habilidades: qual é o papel da escola?

Avalie este item
(1 Voto)

Apesar de não existir um número oficial, estima-se que cerca de 10% da população mundial é considerada “superdotada”, ou seja, pessoas que têm alta habilidade em pelo menos uma área das inteligências. Altas habilidades e superdotação (AH/SD) se caracterizam pela elevada potencialidade de aptidões, evidenciadas no alto desempenho escolar.

E quanto mais cedo essa pessoa for diagnosticada, melhor! “Segundo a OMS, qualquer população tem 5% de pessoas com altas habilidades cognitivas, e de 12 a 15% de pessoas com altas habilidades em outras áreas (artes, música, corporal ou cognitivas específicas). Se a gente ficar no meio, em 10%, em uma escola que tem 100 crianças, vamos encontrar 10 superdotados. Em um estado como São Paulo, que tem 40 milhões de habitantes, são 4 milhões de superdotados. Onde se encontram essas pessoas?”

A escola não pode diagnosticar (alta habilidade não é doença). Se uma criança apresenta um comportamento diferenciado, é um profissional da área de AH/SD que pode detectar a alta habilidade.

Há diferença entre altas habilidades e superdotação?

Existe um mito de que a superdotação é global, ou seja, que as pessoas são superdotadas em tudo. A superdotação não é global, se dá por áreas. Por exemplo, a criança pode ter alta habilidade só em uma ou várias inteligências, por isso se deixou de usar o termo superdotação para se falar em altas habilidades.

Para a presidente da APAHSD, existe uma grande dificuldade nas escolas para detectar crianças com altas habilidades e superdotação, que muitas vezes são confundidas com crianças hiperativas, com déficit de atenção, distúrbio comportamental, distúrbio desafiador opositor, bipolaridade e autismo.

“Muitas vezes só chama a atenção da escola a criança que apresenta problema. Quando a criança se desenvolve rapidamente, não há preocupação, tudo o que se diz é que elas aprendem rapidamente e que não é preciso fazer nada. Isso é um erro, tem muito que se fazer. Essas crianças têm necessidades especiais”, pontua.

Alunos com altas habilidades têm demandas especiais que precisam ser atendidas e tratadas de forma diferenciada. E a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da Educação de 2012, foi muito importante para assegurar o direito à educação especial.

Os professores e gestores devem estar por dentro do assunto, para saber quais são as crianças que precisam ser encaminhadas a um profissional especializado. “Se os professores não estão bem inteirados do que são altas habilidades e de quais são as características das crianças, fica muito difícil de detectá-las.” Uma das características é ser seletivo e ter poucos amigos com os mesmos interesses e objetivos, motivo pelo qual podem ter dificuldades em encontrar um grupo ao qual pertencer.

“Devemos ter em conta que essas crianças aprendem rapidamente na escola e se negam a fazer exercícios de fixação em casa, por isso, as tarefas precisam ser diferenciadas e desafiadoras, deve ter enriquecimento curricular na área onde apresenta a alta habilidade (o que não significa adiantar matéria e sim aprofundar o que está sendo dado)”, afirma.

Quando se trata de crianças que não têm habilidades cognitivas, mas sim, artísticas, musicais, corporais, são ainda menos reconhecidas, sendo que apresentam as mesmas características.

Ada Cristina explica que não existe uma instituição de  ensino que faça um trabalho específico para essas crianças. O que há no mercado educacional são escolas com conteúdo mais elaborado, para que essas crianças se sintam melhor. “Escolas tradicionais e apostiladas não são as melhores escolas para essas crianças, pois a educação se torna maçante, entediante”, orienta.

Ela explica que o teste de QI não consegue avaliar áreas como música, artes, corporal, e como já explicado anteriormente, em áreas cognitivas específicas.

Conheça 15 características de alunos com altas habilidades e superdotação:

Aprende fácil e rapidamente em determinadas áreas específicas

É original, imaginativo, criativo e não convencional

Está sempre bem informado, inclusive em áreas não comuns

Pensa de forma incomum para resolver problemas

Tem uma personalidade persuasiva, manipuladora e tem ampla capacidade de influenciar os outros

Mostra senso comum e não tolera tolices

É inquisitivo e cético, está sempre curioso sobre o como e o porquê das coisas, é frequentemente argumentativo e gosta de realizar pesquisas

Trabalha de forma independente, preferindo realizar tarefas de forma individual

Mostra percepções incomuns

Resiste a rotina e a repetição

Apresenta vocabulário avançado e tem facilidade para se expressar

Mostra grande interesse por temas abordados por adultos

É muitas vezes perfeccionista

Apresenta forte senso crítico

Tem comportamento desafiador

Fonte: Escolas Exponenciais

Lido 168 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.