Terça, 29 Novembro 2022 12:10

Carta de um professor esperançoso

Avalie este item
(0 votos)

Walcir Soares Junior


Passadas as eleições, me coloquei a refletir sobre a quantidade de pessoas manifestando suas opiniões nas redes e nas urnas, acreditando defender interesses a favor da liberdade, da família e de valores que consideram importantes. A constatação mais imediata é de que falta para grande parte das pessoas o conhecimento do que é política e, mais fundamental ainda, o entendimento do que esquerda e direita representam.

Tendo estudado e lecionado pelo menos nos últimos 15 anos a história das doutrinas econômicas, tenho a impressão de que as pessoas desconhecem as bases que fundamentam o liberalismo e o capitalismo moderno, as causas do nosso subdesenvolvimento e a história política deste país. Não se trata de questionar as pessoas que, fundamentalmente, associam seus valores à direita ou à esquerda, mas da constatação de que as pessoas desconhecem realmente aquilo que estão defendendo.

Tenho amigos, alunos e ex-alunos que realmente detêm um percentual considerável da riqueza do estado. Para esses, sim, seria incoerência não votar naqueles que defendem seus interesses. Mas conheço muitas pessoas votando a favor da “liberdade” que não têm noção de que o voto na direita se trata de tudo, menos de liberdade. O surgimento do liberalismo pós Revolução Industrial serviu aos interesses de uma classe - burguesia - que só passou a existir porque se associou ao Estado (mercantilismo), enquanto este servia aos seus interesses. Pelo mesmo motivo, depois de ter enriquecido, a burguesia financiou uma Revolução Industrial sob a falácia da “liberdade, igualdade e fraternidade”, lema apropriado da Revolução Francesa.

Há 240 anos, isso fez sentido para muita gente, pois o aumento da produtividade parecia uma boa chance para melhorar a vida das pessoas neste planeta. Mas, não muito menos do que 240 anos atrás, os resultados dessa falácia começaram a aparecer na forma de concentração de capital, proletarização do trabalho assalariado e aumento da desigualdade, aspectos muito estudados desde então. Hoje, é praticamente, um consenso: o capitalismo leva naturalmente à concentração e desigualdade (interessados podem ler Thomas Piketty) e, portanto, uma forma melhor de capitalismo seria se atentar à compensação dessa desigualdade e concentração, por natureza, injustas.

É nesse contexto que surgem socialismo, marxismo e comunismo, como tentativas de contornar esse sistema que não deu certo. No entanto, essas foram formas igualmente ou até mais falhas. Portanto, a chance de que haja um partido político tentando implantar o comunismo no Brasil é tão verdadeira quanto as evidências de que a terra é plana. Se você trabalha e recebe um salário por isso - e se, sem esse salário, você não consegue sobreviver por muito tempo -, você não é um capitalista e não será beneficiado pelos interesses dos capitalistas. Liberdade mesmo é não impor um modelo de vida às pessoas, de modo que elas possam transcender como acharem correto, desde que não interfiram na liberdade dos outros. E não há liberdade num sistema em que a ideia de renda mínima só passa a ser defendida depois que é percebida como geradora de votos.

Não existe hoje um partido sério que defenda o aborto, mas sim a sua legalização. Assim, nenhum pobre terá que morrer enquanto ricos fazem o mesmo procedimento no conforto e segurança garantidos por seu dinheiro. Não existe partido sério que defenda a legalização das drogas, mas pode haver a discussão dos prós e contras da regulamentação da cannabis, cientificamente associada a remédios promissores e potencial geradora de renda. Não existe partido que queira influenciar pessoas a serem homossexuais. Se essa “influência” fosse possível, pessoas não se suicidariam por ver sua sexualidade em desconformidade com a religião e a família. O sistema capitalista é o pior e o melhor sistema implementado em larga escala até hoje. Até mesmo os países reconhecidamente comunistas evoluíram para um sistema que aceita e assume algumas características eficientes do capitalismo, o que os levou ao crescimento e, em alguns casos, ao desenvolvimento econômico.

O que nós trabalhadores precisamos defender é que esse mesmo sistema gere equidade e possibilidade de mobilidade social para todos que trabalharem duro, e não um sistema em que os privilégios econômicos determinam os vencedores muito antes deles nascerem. Não pretendo realizar conversões, não pretendo convencer divergentes. Esta é a carta de um professor que acredita na educação e, principalmente, que acredita que só a educação pode transformar este país. Consciência política se constrói e este pode ser um pequeno primeiro passo. Interessados, posso recomendar livros e materiais de estudo.

Walcir Soares Junior (Dabliu), doutor em Desenvolvimento, é professor do curso de Ciências Econômicas na Business School da Universidade Positivo (UP).

1 Comentário

  • Link do comentário TADEU APARECIDO PEREIRA Segunda, 16 Janeiro 2023 17:43 postado por TADEU APARECIDO PEREIRA

    BOA TARDE ?? A QUEM POSSA INTERESSAR INFORMO QUE NO FINAL DE 2021 AGENDEI UMA PASSEIO NA PRAIA DOS BANDEIRANTES COM MINHA FAMILIA NA SEMANA DO NATAL NO PERIODO DE 23 A 27/12 , POREM TIVE QUE DEIXAR O DIA 23 EM HAVER DEVIDO O DIA LETIVO DAQUELE ANO ,SERÁ POSSIVEL AINDA EU TIRAR ESSE APROVEITO ,DESSE DIA ANTES DO CARNAVAL , POR FAVOR , DESDE JÁ AGRADEÇO .


    PROF TADEU ...

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.