Terça, 04 Dezembro 2018 12:22

Currículo paulistano é elogiado, mas trava com rodízio de professores

Avalie este item
(1 Voto)

Uma amostra de como será esse processo pode ser visto nos colégios da prefeitura paulistana, que iniciou a mudança já no início deste 2018. A reportagem do jornal Folha de S. Paulo acompanhou essa implementação por meio de visitas às escolas e dezenas de entrevistas, que expuseram problemas estruturais como instabilidade no corpo docente e falta de capacitação.
 

A professora Viviane Vizzioli, 49, foi recebida em sua sala de aula, numa tarde de outubro, com um grande coração desenhado na lousa, feito por seus estudantes do 2º ano B. Na casa dos sete anos de idade, eles haviam também trazido brigadeiros para ela e deixado a mensagem: “Desculpa professora Viviane por ontem”.
 

Aqueles alunos da escola municipal Pedro Aleixo, na periferia da zona leste de São Paulo, descumpriram no dia anterior os pedidos da professora para que terminassem seus desenhos.
 

“Depois de tantas quebras, eles ficaram mal por terem me desapontado”, contou a professora. Ela foi a terceira docente a assumir a turma naquele ano letivo, devido à licença-maternidade da primeira titular.
 

Como a legislação exige que só se abra o processo de substituição após o afastamento da regente, uma segunda professora, de outra unidade, ficou com a turma temporariamente até Viviane chegar.
 

Viviane mostrava preocupação. A turma, vista na escola como bem comportada e engajada, estava atrasada devido às mudanças de professores. Os alunos ali são filhos de cozinheira, taxista, vigilante e de outros professores.
 

Quatro das 30 crianças desse 2º ano mal haviam aprendido as sílabas, sendo que o esperado era que já estivessem ao menos próximos de estarem alfabetizadas, lendo histórias em quadrinhos ou manchetes de jornal.
 

Em novembro Viviane sofreu AVC, menos de dois meses após assumir a classe. Chegou a ficar internada, mas morreu dias depois. Um quarto professor terminará o ano letivo da turma.
 

Ao longo deste 2018, a Folha acompanhou essa turma e outros professores e gestores da rede de ensino sob a gestão dos prefeitos João Doria e Bruno Covas (ambos do PSDB). Foram mais de 40 entrevistas, além de visitas rotineiras às escolas.
 

O principal objetivo foi acompanhar a implementação de novidade no sistema. As escolas começaram um novo currículo escolar, que é o guia do que deve ser ensinado a cada aluno. 
 

Este 2018 foi uma espécie de laboratório do que deve ocorrer agora em todo o país. Norma federal exige que a partir do ano que vem as escolas fundamentais públicas e particulares do país comecem a alinhar seus currículos.
 

A rede municipal de São Paulo, que possui quase meio milhão de alunos nessa etapa, foi a primeira a adotar os novos padrões. 
 

O documento nacional norteador, chamado Base Nacional Comum Curricular, foi discutido e aprovado durante os governos de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB).
 

O documento traz alta expectativa. É visto por gestores e especialistas como uma das principais medidas para melhorar o ensino do país, onde 70% dos alunos se formam no ensino básico, aos 17 anos de idade, sem o conhecimento esperado em português.
 

Espera-se com o novo padrão curricular que a formação dos professores melhore ao longo dos próximos anos, pois as faculdades de educação poderão construir seus cursos em cima dessa base.
 

Os materiais didáticos também tendem a melhorar, por agora estar mais claro o que devem conter.
 

Mas um dos principais objetivos é deixar explícito o que cada um dos 48 milhões de estudantes no país devam saber ao fim de cada série.
 

Parte das redes de ensino já possuem currículos próprios. Mas cada um pode ter seus próprios objetivos e metas.
 

Padroniza-se agora, por exemplo, que as crianças devam estar alfabetizadas até o fim do 2º ano, na casa dos sete ou oito anos de idade. Até então, a meta federal indicava que o limite fosse um ano mais tarde.
 

Ao longo de 2018, a reportagem ouviu elogios para o novo currículo municipal, tido como moderno por propor que o aluno busque ativamente o conhecimento e não fique apenas esperando o professor ditá-lo. O material didático fornecido foi visto como eficiente.
 

Por outro lado, há reclamações sobre a estrutura para implementação do documento, como falta de formação para os docentes e atraso na entrega dos materiais. 
 

Também foram verificados problemas estruturais que dificultam a adoção de uma política como essa. A rotatividade de professores e diretores é algo que salta aos olhos.
 

Todas as manhãs, o assistente da direção da escola Pedro Aleixo, Clayton Ribeiro da Silva, 42, vai à sala de professores checar quem está presente. Carrega um papel com dezenas de quadradinhos impressos, cada um representando uma aula a ser dada.
 

O colégio é um dos melhores da rede pública da zona leste da cidade e tem notas acima da média do sistema municipal.
 

Clayton pinta de laranja os quadradinhos em que o respectivo professor não compareceu. E sai à procura de quem pode cobrir a ausência.

 

No 3º bimestre, a pedido da Folha, Clayton contou quantos quadradinhos haviam sido pintados. Das 5.112 aulas a serem dadas pela manhã, 30% tiveram de ser substituídas e 3% ficaram sem qualquer docente. Em bimestres melhores, o número de trocas cai para 20%.
 

Em muitos casos, o substituto disponível não é da área do professor faltante. Assim, em aulas de história e português, por exemplo, entrou um professor de geografia. Era o que estava disponível. 
 

O substituto pode tanto improvisar a disciplina referente à aula original quanto usá-la para sua própria especialidade. E perde-se um dia das outras matérias.
 

Quando não havia mais alternativas, até a diretora, Suemi Inokawa, 57, originalmente professora de história, deu aula de ciências para um 9º ano (estudantes na casa dos 14 anos de idade). 
 

As ausências acontecem por diversos motivos. Professores podem faltar até 10 dos 200 dias letivos, sem que haja desconto no salário (basta a justificativa ser aceita pelo superior). É prerrogativa presente na legislação municipal desde 1979.
 

Há também ausências de maior prazo. São 11 tipos de licenças previstas, como para “tratar de assuntos particulares”, médica ou para acompanhar familiar doente. Pesquisas apontam que essas concessões foram dadas para compensar o desgastante trabalho dos professores.
 

“Em qual profissão ou empresa há tantas faltas assim? Por que na educação pode?”, reclamou a diretora Suemi.
 

Existem ainda aposentadorias de docentes e de diretores, que deixam o posto com o ano letivo em curso. Alguns profissionais vão cobrir esses buracos abertos, que também podem aparecer devido à abertura de unidades.
 

E abrem-se novos buracos, agora na escola de origem do profissional.
 

Foi o caso de um professor de matemática da Pedro Aleixo, que deixou o posto em outubro para assumir a direção de uma unidade de ensino infantil. O 6º ano A ficou sem especialista na área.
 

É um sistema que dá garantias aos educadores, para ausências ou para mobilidade profissional. Mas prejudica a continuidade dos trabalhos com os estudantes.
 

Levantamento feito pela Folha com base na folha de pagamento da rede mostra que 20% dos professores que começaram o ano letivo de 2018 não estavam mais na escola quatro meses depois.
 

A literatura acadêmica na área educacional é clara em apontar que a estabilidade de diretores e professores é fundamental para uma boa qualidade de ensino.
 

Para suprir as ausências, os colégios municipais têm, em tese, professores a mais na equipe docente. Mas esses profissionais vão encontrando outros empregos, dentro ou fora da educação, e o número passa a ser insuficiente.
 

Mais de 80% dos diretores e gestores escolares disseram sofrer com falta de pessoal, segundo levantamento divulgado em junho pelo Sinesp, sindicato da categoria.
 

No 2º ano B da escola na zona leste, a professora original, Giselle de Souza Santos, 31, se afastou em agosto para ter bebê. “Estou sofrendo aqui. É uma das melhores turmas que já tive”, disse ela logo após a saída.
 

Essa série era a que, teoricamente, mais sofreria mudanças com o novo currículo, devido à antecipação da expectativa de alfabetização. 
 

A justificativa oficial para a alteração é que a rede particular já tinha como meta a alfabetização até essa série.
 

Antes os pais já cobravam que as crianças estivessem alfabetizadas nessa idade. Sempre foi meu objetivo. Mas nem sempre é possível.
 

São muitos desafios, as novas configurações familiares, adversidades dentro da sala de aula”, disse Giselle, na rede há dez anos.
 

Mesmo que seja previsível que uma professora grávida vá se afastar em algum momento, a regulamentação exige que a procura pela substituta comece apenas quando a licença efetivamente comece.
 

Como solução provisória, foi chamada a professora Patrícia Soares da Silva, 41. Mas como ela já trabalhava em outro colégio público, a carga horária disponível legal permitia que lecionasse apenas três vezes por semana para a turma.
 

Nos outros dois dias, professoras de artes e de educação física se revezavam na tarefa de ajudar na alfabetização.
 

A professora de educação física reconheceu à reportagem que não se sentia preparada para a tarefa. Contou não saber o ritmo certo a ser dado na aula, se os alunos estavam com dificuldade ou se estavam apenas com preguiça.
 

A nova titular, Viviane, chegou em setembro, após a prefeitura chamar para a rede novos professores, que já tinham passado em concurso público havia quatro anos.
 

Enquanto as outras duas turmas de 2º ano no colégio estavam entrando na multiplicação, a dela ainda sofria para fazer contas de menos.
 

“Queria dar um gás, mas é complicado. Vamos ficar vários dias sem aula”, disse a docente, às vésperas dos feriados que emendaram de 15 a 20 de novembro. A escola também não teve aula na sexta anterior ao 2º turno presidencial, para ficar à disposição do TSE.
 

Viviane, de manhã, lecionava português e inglês no colégio Objetivo, particular. Ela elogiou a estrutura de sua nova escola pública, como o apoio da coordenação e a qualidade dos materiais.
 

“O currículo aqui é muito bom, integra as atividades. O aluno pode pesquisar, na aula de informática, poesia que viu na aula de português.”
 

Viviane reclamou, porém, que depois de um mês com a turma ainda não havia chegado os cadernos de atividades de matemática para seus alunos para aquele semestre. 
 

“E na particular não tem tanta troca de professores.”
 

Quando Viviane sofreu o AVC, em novembro, a prefeitura havia intensificado o chamamento de novos professores. Já existia substituto apto para chegar até o fim do ano.
 

“Crianças, sei que é duro, mas preciso dizer que a professora Viviane não resistiu. Ela virou estrelinha”, disse à classe numa tarde de novembro a coordenadora pedagógica da escola Fabiana Tersi, 38.
 

Alguns alunos demoraram a entender. Um deles, que já tinha compreendido, explicou que Viviane havia morrido. Quase todos choraram. 
 

À frente deles estava Renato de Almeida Jaques, 37. Novo titular da classe, estreava naquele dia na carreira.
 

“Cada um tem sua religião, então, quando chegarem em casa, peçam para o papai ou mamãe explicarem melhor o que é a morte”, afirmou o professor (que não tem religião).
 

Ex-policial militar, ex-agente na Fundação Casa e ex-servente em escola pública na Grande São Paulo, ele conseguiu que a turma, meia hora depois, já tivesse deixado um pouco de lado a tragédia.
 

Renato propôs que os alunos desenhassem algo que quisessem mostrar a Viviane. Permitiu que sentassem em grupo. As conversas ajudaram a amenizar o clima. 
 

O professor contou que decidiu ser professor quando era servente escolar. Viu uma professora isolando da turma uma aluna mal vestida, com mal cheiro —nitidamente mais pobre que os demais. Um outro professor também viu a cena e puxou a estudante para sua classe e integrou-a.
 

“O que o professor fez me acendeu uma luz. ‘É isso que quero ser’. Hoje estou aqui nesta escola mais estruturada, mas depois quero ir para a quebrada”, disse Renato. “É lá que posso fazer a diferença.”
 

A força de vontade contrasta com alguns erros de português que comete na lousa, especialmente na acentuação.
 

O que a rede de ensino da Prefeitura de São Paulo tem de estudantes é mais que Natal (RN) ou Boston (EUA) têm de população —o sistema de educação paulistano possui 1 milhão de alunos, no infantil e fundamental, e 60 mil servidores.
 

Tem sido difícil aumentar qualidade em rede tão grande, apesar de ser a cidade com a maior economia do país. 
 

Estão abaixo do desempenho esperado cerca de 60% dos estudantes do 5º ano (na casa dos 11 anos de idade) em matemática. Têm dificuldades, por exemplo, de saber total de minutos que representa uma hora e vinte minutos.
 

 
É um desafio mundial a implementação de políticas educacionais em larga escala. Desde 2010, os Estados Unidos tentam implementar política semelhante à Base Nacional brasileira, com aporte bilionário inicial do governo federal e de fundações. 
 

Oito anos depois, apenas 43% dos professores dizem aplicar uma das principais mudanças da base curricular americana, que é trabalhar textos esperados para a série com os estudantes, não com o nível dos alunos (que pode estar mais baixo).
 

O currículo paulistano ficou pronto no fim de 2017. A primeira formação para toda a rede ocorreu nove dias após o início do ano letivo. Foi um dia em que não houve aula, e os docentes puderam ver palestras sobre o currículo e responder exercícios, tudo online e dado pelos sindicatos.
 

Ao longo do ano, foram feitos encontros nas diretorias regionais, para alguns representantes das escolas.
 

A professora Maria de Cássia da Silva Campos Santos, 45, participou da frente presencial. Ela foi a única escolhida dos docentes envolvidos com alfabetização da escola Pedro Aleixo, da zona leste. Foram cinco encontros na diretoria de ensino, de quatro horas cada. “Muito bons, mas insuficientes.”
 

Foi nessa formação que ela entendeu que a matemática passaria a ser ensinada com organização diferente. Em vez de ensinar uma operação de cada vez, agora adição e subtração devem ser dadas já passando a ideia da multiplicação e da divisão.
 

Ela concorda com o formato, que integra melhor os conhecimentos. E elogiou também os materiais com explicações e exercícios que a prefeitura forneceu a professores e alunos.
 

Mas disse ter sido difícil assimilar todas as mudanças tão rapidamente nos encontros. E, pior ainda, foi tentar compartilhar as informações com os demais sete professores da escola. 
 

Em boa parte do tempo, os professores estão lecionando em sala de aula. Alguns possuem uma jornada ampliada, para justamente terem espaços de formação e troca de ideias dentro da escola.
 

Mas nem todos os professores possuem essa jornada, pois ela dificulta que o profissional consiga dar aulas em outro colégio, para aumentar o salário. 
 

A professora Giselle, que começou 2018 com o 2º ano B, não tinha essa jornada estendida, por exemplo. Lecionando de manhã e à tarde, ganhava R$ 3.800.
 

“Posso completar uma coisa?”, pediu a professora Maria de Cássia. “Há muitas coisas boas no currículo, mas ficamos sem saber se vai continuar. Cada gestão muda.”
 

Essa reclamação foi dita por todos os educadores ouvidos pela reportagem. Citam que na gestão do prefeito Gilberto Kassab (então no DEM, hoje PSD) havia um programa com bons materiais e formação de professores. O governo Fernando Haddad (PT) trocou o sistema para se alinhar a uma política nacional da ex-presidente Dilma Rousseff.
 

E agora tem o novo currículo municipal. “A gente precisa de tempo para se acostumar”, afirmou a professora Patrícia, que ficou à frente do 2º ano B por um mês.
 

A prefeitura informa que aperfeiçoará a implementação do processo no ano que vem. Ainda não está claro a importância que o governo Jair Bolsonaro (PSL) dará para a Base Nacional Comum Curricular, que depende de apoio político e financeiro para pegar nacionalmente.
 

Fonte: Folha de São Paulo 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.