Sexta, 02 Agosto 2019 17:36

Rossieli diz que ainda não achou solução para reajuste de professor

Avalie este item
(4 votos)

O secretário da Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, disse nesta quinta-feira (1º) que o governo ainda não conseguiu encontrar solução para o reajuste salarial de professores. A afirmação foi feita depois do evento de homologação do Currículo Paulista, no Palácio dos Bandeirantes, quando questionado pelo Portal CPP sobre previsão para o pagamento.


A data-base da categoria expirou em 1º de março, data oficial pela Lei nº 12.391/06, e não houve iniciativa da gestão João Doria (PSDB) para cumprir o reajuste em 1º de julho, período prorrogado por decisão do então governador Geraldo Alckmin, também tucano.

"Estamos trabalhando e esperamos, agora neste segundo semestre, conseguir equacionar a questão", disse Soares. De acordo com ele, o reajuste está atrelado à paridade, não sendo ligado diretamente à Secretaria da Educação, porque a pasta não administra aposentadorias. O secretário ponderou ainda sobre impedimento jurídico para usar recursos do Fundeb com aposentados, o que, nas palavras dele, causa impacto muito grande nas contas públicas e dificulta ações do governo em termos de reajuste salarial. 

Em discurso durante a homologação do currículo, formação de professores foi tema enfatizado diversas vezes pelo secretário. Valorização do magistério, entretanto, não recebeu o mesmo destaque. Abordado pela reportagem, ele se justificou dizendo que "é fundamental o processo de valorização do professor na dimensão do que ele recebe, sim, do salário, mas também na dimensão de formação e valorização da carreira". 

Ouça a fala do secretário na íntegra

  

AUDIÊNCIA COM O CPP

Em meados de julho, o CPP protocolou junto à Secretaria da Educação ofício solicitando audiência com o secretário para tratar do reajuste salarial. O documento reforçou a urgência de solução para o problema, uma vez que a categoria, professores ativos e aposentados, sofre com congelamento da folha de pagamento há cinco anos. A entidade quer índice de 15%, valor calculado de acordo com perdas inflacionárias do período.

A Seduc, contudo, não respondeu ao pedido até o momento. 

15 comentários

  • Link do comentário Elidio Santana dos Santos Quinta, 12 Setembro 2019 17:33 postado por Elidio Santana dos Santos

    Boa Tarde! fico triste e mais preocupado quando faço a leitura dos profissionais que reclamam dessas mazelas do governo e sua super "equipe", que as urnas deixaram claro que não foi a população da capital que elegeu esse cara., uns preocupados com remoção, outros com chamada de diretor, por esse motivo não somos fortes, unidos, cada um pensa na sua realidade e por incrível que pareça, estão gratos pelo que tem., enfim.
    Fica uma pergunta para "TODOS" os sindicatos, inclusive o CPP, porque não nos é garantido o direito a greve com a remuneração em dia sem prejuízo, uma vez estando na lei?. Quando falam da Prefeitura de São Paulo, que são mais unidos, mas eles não sofrem o desconto. Como isso é possível? Quando os SINDICATOS vão fazer jus ao que descontam do nosso contracheque????? Porque ao planejarem uma greve ja não entram com uma vetação dos possíveis descontos em folha devido a paralisação??? Como disse alguns dos meus colegas, parece que o sindicato é vendido, depois mostra a reposição do dia da paralisação como se fosse uma vitória. Pelo amor de Deus!!!!!!
    CPP: encaminhado à Presidência. Aguarde retorno por e-mail. Att.

  • Link do comentário Antonio Alves Leite Segunda, 09 Setembro 2019 23:35 postado por Antonio Alves Leite

    Precisamos saber de umas informações sobre nosso reajuste que desde 5 anos nos é negado , e aí alguém do CPP podia nos explicar ? se não afrontarmos esses caras do governo, eles vão ficar enrolando até as próximas eleições. PRA QUÊ SERVE NOSSO SINDICATO ? ISTO É UMA VERGONHA.
    CPP: encaminhado à Presidência. Aguarde retorno por e-mail. Att.

  • Link do comentário RUBENS JORGE PEREIRA MENDES Segunda, 12 Agosto 2019 15:34 postado por RUBENS JORGE PEREIRA MENDES

    Gostaria de saber se o CPP conversou e tem uma posição sobre o valor retroativo a 2016 da prova do mérito.
    CPP: encaminhado ao Departamento Jurídico. Aguarde retorno por e-mail. Att.

  • Link do comentário Elisabete Domingo, 11 Agosto 2019 19:53 postado por Elisabete

    Lamentável o seguinte comentário " O secretário da Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, disse nesta quinta-feira (1º) que o governo ainda não conseguiu encontrar solução para o reajuste salarial de professores. A afirmação foi feita depois do evento de homologação do Currículo Paulista, no Palácio dos Bandeirantes, quando questionado pelo Portal CPP sobre previsão para o pagamento." Sem respostas claras e sem reajuste há tanto tempo.... parece brincadeira... devemos todos parar no dia 13 de março e ir às ruas exigir nossos direitos.
    CPP: encaminhado à Presidência. Aguarde retorno por e-mail. Att.

  • Link do comentário José Sexta, 09 Agosto 2019 08:40 postado por José

    Tudo isso é bom faz de conta.Esse corruculo que o governo nós empurra de guela abaixo e aceitamos isso calados Ninguém tem pique nem coragem para fazer uma paralisação em massa. Se ganhamos uma merreca a mais no salário perdemos o vale coxinha.Que é ridícula o funcionalismo publico não receber esse vale porque recebe um pouco a mais.E os sindicatos só chama para uma paralisação quando é conveniente.governo medíocre meus pêsames pra quem votou nele. Não tem respeito pela educação tem que investir em presídios mesmo.
    CPP: encaminhado à Presidência. Aguarde retorno por e-mail. Att.

  • Link do comentário Antonio Vedoveli Quinta, 08 Agosto 2019 18:11 postado por Antonio Vedoveli

    O que coloca a consciência tranquila é que não votei no tucano Dória-Botox e no Fascista do Capitão Insano.
    CPP: encaminhado à Presidência. Aguarde retorno por e-mail. Att.

  • Link do comentário Pasqualina Faruolo Terça, 06 Agosto 2019 21:16 postado por Pasqualina Faruolo

    Se o governo não cumpre a data-base para o reajuste salarial dos professores, penso que os professores também poderiam deixar de cumprir com suas obrigações: aplicar AAP, digitar notas na plataforma SED, seguir Currículo, elaborar atividades de recuperação intensiva para coordenadores assistirem etc etc... Já que é um "faz de conta", que tal os professores também começarem a agir dessa forma? O que vcs acham? E qdo formos cobrados poderíamos simplesmente dizer: "Ainda não achei solução para tantas cobranças! "

  • Link do comentário CLAUDINEI JOSE CORREIA SOUZA Terça, 06 Agosto 2019 20:43 postado por CLAUDINEI JOSE CORREIA SOUZA

    Gostaria de saber se o CPP tem alguma informação sobre o do concurso de remoção de diretor. Obrigado!
    CPP: encaminhado à Procuradoria. Aguarde retorno por e-mail. Att.

  • Link do comentário Ana Regina Gouvêa Terça, 06 Agosto 2019 18:03 postado por Ana Regina Gouvêa

    Atenção professores e profissionais da educação , pensem ... antes de votar. São mais de 25 anos que votam errado . A teimosia levou-nos a essa situação . Na última tinha mais de uma opção. . Não conheço mais São Paulo. .. Abandono em todos os sentidos . Centenas de obras paradas , educação e saúde , sem condições e segurança..Agora é rezar...

  • Link do comentário Prof. Mário Bagáscio Segunda, 05 Agosto 2019 11:53 postado por Prof. Mário Bagáscio

    Depois de inúmeras "reuniões" (enrolações) com esse homem, títere de dória, depois de incontáveis "promessas" furadas e sem credibilidade alguma, depois de comprometer-se perante os sindicatos da categoria APEOESP e CPP de que haveria uma solução plausível para a vergonhosa defasagem salarial, deparamo-nos com a notícia do roleiro: "ainda não achamos solução para reajuste de professor". Pergunto: alguma vez houve interesse político na solução desse problema? Por que não se paga o reajuste de 10,15% retroativo desde janeiro de 2017, ganho na Justiça ("transitado em julgado", sem mais questionamento, visto que todas as instâncias para contestação foram utilizadas e o estado perdeu vergonhosamente em todas)?? Esse homem, títere de dória, está há cinco anos com salário defasado??? Lógico que não!!! Agora, essa mesma criatura nos "brinda" com políticas educacionais excludentes, comprometedoras, que nos tiram autonomia e nos violentam, enquanto Educadores. Nada se resolve. Tudo se complica para pior. Agradeço ao bom DEUS que estou com um pé fora dessa canoa furada. Não somos remunerados para sermos babás de alunos-marginais. Para sermos desrespeitados, e quiçá mortos em escolas públicas (vide Suzano/SP). Um conselho a quem se acha idealista e quer "mudar o mundo pela educação": caia fora, procure outra profissão que o valorize, respeite e pague à altura o que te cobram. Nada disso encontrei em meus 33 (trinta e três) anos de sofrido magistério paulista. Venho com bons olhos que cursos universitários tradicionais, visando ao magistério, estão fechando, devido à falta de procura. Os jovens já perceberam que a Educação é, como eu escrevi acima, UM BARCO FURADO.
    CPP: encaminhado à Presidência. Aguarde retorno por e-mail. Att.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.