Terça, 08 Junho 2021 13:07

Iamspe procura doadores de sangue para tratar pacientes

Avalie este item
(0 votos)

Hospital do Servidor registrou queda de 30% em doações nos últimos meses; uma a cada oito transfusões é destinada a pessoas com Covid-19


O Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe) está à procura de doadores de sangue. Neste mês, o Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE) iniciou uma campanha para aumentar o estoque de bolsas que são usadas para tratar pacientes com diagnóstico de Covid-19 e outras doenças.

Em março, mês considerado o mais crítico desde o início da pandemia, o Banco de Sangue do HSPE registrou queda de cerca de 30% nos estoques, se comparado ao mesmo período do ano passado. Inúmeros pacientes em tratamento necessitam de transfusão de sangue. "A doação de sangue é um ato de solidariedade com o próximo. Ato que pode salvar vítimas da Covid-19 e de outras doenças graves", comenta Fabio Lino, diretor do banco de sangue, sobre a importância das doações para o abastecimento do estoque.

A fim de evitar riscos de contaminação, os doadores são submetidos a testes de sorologia para identificação de doenças transmissíveis, e a coleta das bolsas de sangue é realizada com material descartável e estéril. Além disso, o banco de sangue está localizado em área independente das demais unidades hospitalares, evitando contato com pacientes.

Para doar não é necessário agendar horário. O serviço funciona de segunda a sexta, das 9h às 16h, e aos sábados, das 8h às 16h. O acesso ao prédio é pela Rua Pedro de Toledo, 1.800.

ALTA DEMANDA

No ano passado, unidades de terapia intensiva (UTIs) e enfermarias do HSPE recorreram ao banco de sangue em busca de hemocomponentes usados no tratamento de casos graves do coronavírus. Uma a cada oito transfusões foi destinada a pacientes que desenvolveram complicações, como anemias, hemorragias agudas, coagulopatias, tromboses e choque séptico.

Para Fabio Lino, o hemocomponente mais utilizado em transfusões desde o início da pandemia é o concentrado de hemácias, com 7.766 procedimentos realizados. As hemácias facilitam o transporte de oxigênio no corpo. O especialista reforça que outros hemocomponentes derivados do sangue são fundamentais para suprir as necessidades transfusionais ocasionadas pela Sars-CoV-2.

Atuando na linha de frente no combate ao novo coronavírus, o Banco de Sangue, em parceria com o serviço de moléstias Infecciosas (MI) do HSPE, participa ainda do projeto-pilotode transfusão de plasma covalescente, coordenado pelo Instituto Butantan. A iniciativa prevê a transfusão do plasma de doadores curados da Covid-19com o objetivo de transferir os anticorpos para outros pacientes.

JUNHO VERMELHO

Instituído em 2015 pelo Ministério da Saúde, Junho Vermelho exalta a importância da doação de sangue como um ato de solidariedade. Neste ano, a campanha de conscientização tem caráter emergencial, uma vez que a pandemia impôs, desde seu início, queda significativa - maior que 70% - no ritmo de doações espontâneas, de acordo com a Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH).

CRITÉRIO PARA DOAÇÃO

. Estar em boas condições de saúde;

. Ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores devem estar acompanhados do responsável legal para doar);

. Pesar no mínimo 50kg;

. Estar alimentado (evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem o procedimento);

. Estar descansado;

. Candidatos que estiverem no exterior não podem doar sangue por 14 dias a partir da data do retorno;

. Voluntários que tiveram contato com casos suspeitos e confirmados de Covid-19 ficam impedidos de doar sangue por 14 dias;

. Doadores que apresentaram sintomas de possível infecção pelo Covid-19 (casos suspeitos) poderão doar sangue após 14 dias do desaparecimento dos sintomas;

. Aqueles que apresentaram diagnóstico positivo de Covid-19 só poderão doar sangue após 30 dias da recuperação clínica completa (sem sintomas).

São impedidos de doar sangue os diagnosticados com Covid-19 durante 30 dias após o fim dos sintomas. Os que foram vacinados contra a doença com a CoronaVac devem esperar dois dias; com a AstraZeneca/Oxford e a Pfizer, 7 dias. As indicações são do informe técnico do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 do Ministério da Saúde.

Fonte: Afpesp

Lido 195 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.