Sexta, 13 Mai 2022 09:49

70% docentes apoiam incluir aluno com deficiência, 40% não são aptos

Avalie este item
(0 votos)

               Para 70% dos professores, a escolarização de crianças com deficiência junto às demais em classes regulares beneficia a todos, mas 40% deles não têm formação sobre inclusão

 

                                       Instituto Rodrigo Mendes apresenta os dados do estudo da Fundação Lemann, realizado pelo Datafolha, com cerca de mil professoras e professores

 

Estudo apresentado pelo Instituto Rodrigo Mendes, realizado pelo Datafolha a pedido da Fundação Lemann, com 967 professoras e professores de todas as regiões do país, mostrou que a grande maioria dos docentes enxergam que a escolarização de crianças com deficiência proporciona benefícios educacionais a todos os estudantes. Os docentes que responderam à pesquisa lecionam para o Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio de redes públicas. As entrevistas foram realizadas por telefone, entre 9 de novembro e 01 de dezembro de 2021.
 

A maioria dos docentes entrevistados, 70% deles, responderam que acreditam que a escolarização de crianças com deficiência junto com as demais beneficia a todos. Se divididos em grupos por etapa de ensino, os resultados são:

    76% dentre os que lecionam para os anos iniciais do Ensino Fundamental,
    66% os anos finais do Ensino Fundamental,
    72% dentre os que lecionam para o Ensino Médio.

 
O menor grupo de docentes em concordância com a afirmação de benefício a todo grupo de estudantes está na Região Norte (57%).


Para 12% dos docentes entrevistados, a inclusão prejudica os estudantes sem deficiência, sendo:

    11% lecionam para os anos iniciais do Ensino Fundamental,
    14% lecionam para os anos finais do Ensino Fundamental,
    9% lecionam para o Ensino Médio.

 
Também está na região Norte o maior grupo que diz que a inclusão prejudica os demais estudantes (17%).

 
Quando perguntados se conhecem os direitos de os estudantes com deficiência terem acesso a escolas comuns e compartilharem seus espaços com os demais, 95% responderam que sim, considerando o total da amostra.

 
“A opinião dos professores nesta pesquisa corrobora o que a legislação brasileira já garante e as evidências científicas mais recentes mostram. A inclusão dos estudantes com deficiência nas escolas comuns beneficia a todos e a cada um”, diz Rodrigo Hübner Mendes, superintendente do Instituto Rodrigo Mendes (IRM).

Apesar de os números apresentados apontarem positivamente para a relação dos professores com a educação desses alunos, é importante destacar que, quando perguntados sobre formação sobre inclusão, 40% dos professores disseram nunca ter feito. Se divididos em grupos por etapa de ensino, os resultados são:

    31% dentre os que lecionam para os anos iniciais do Ensino Fundamental
    36% dentre os que lecionam para os anos finais do Ensino Fundamental
    50% dentre os que lecionam para o Ensino Médio

 

Ainda sobre o mesmo recorte, são os docentes do Nordeste (49%) e do Norte (41%) que formam os maiores grupos dos que nunca fizeram esse tipo de formação. Na região Sudeste, são 40%, na Sul 28%, tal como na região Centro-Oeste.

“Ainda há muito a avançar em termos de qualidade da inclusão nas escolas brasileiras, mas a crença dos professores no sistema de ensino inclusivo é o primeiro passo. O investimento em formação continuada na perspectiva inclusiva poderá proporcionar ferramentas e metodologias capazes de auxiliar nessa tarefa, além de ter imenso potencial para causar uma mudança de mentalidade por meio da qual mais professores acreditarão que todos aprendem melhor em ambientes heterogêneos e diversos”, explica Luiza Corrêa, coordenadora de advocacy do IRM.

 

Sobre a Fundação Lemann - A Fundação Lemann acredita que um Brasil feito por todos e para todos é um Brasil que acredita no seu maior potencial: gente. Isso só acontece com educação de qualidade e com o apoio a pessoas que querem resolver os grandes desafios sociais do país. Nós realizamos projetos ao lado de professores, gestores escolares, secretarias de educação e governos por uma aprendizagem de qualidade. Também apoiamos centenas de talentos, lideranças e organizações que trabalham pela transformação social. Tudo para ajudar a construir um país mais justo, inclusivo e avançado. Saiba mais no site.
Siga-nos nas redes: Twitter, Instagram, Facebook e LinkedIn

 

Sobre o Instituto Rodrigo Mendes - O Instituto Rodrigo Mendes (IRM) é uma organização sem fins lucrativos com 28 anos de existência, que tem como missão colaborar para que toda pessoa com deficiência tenha uma educação de qualidade na escola comum. Seus projetos estão organizados a partir de uma arquitetura baseada em três pilares: produção de conhecimento, formação de educadores e advocacy.




Como se referir a pessoas com deficiência?

Atualmente, a principal referência para responder a questão é a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, criada pela ONU em 2006. O documento recomenda o uso da expressão “pessoas com deficiência”. Ou seja, não se deve usar mais “portadores de deficiência” e “pessoas com necessidades especiais” - duas tentativas recentes de amenizar o estigma e o olhar negativo gerado pelas palavras."Pessoas com deficiência" é considerada a maneira adequada hoje porque não disfarça a existência de uma diferença e porque favorece a consciência de que, em alguns casos, é necessário um tratamento desigual para promoção da equidade.

Todas as Informações são da Jeduca

Lido 197 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.