Quarta, 17 Março 2021 11:29

UFSCar aborda saúde da mulher em ação com professores

Avalie este item
(0 votos)

Um projeto de extensão realizado por docentes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) levou conhecimento técnico sobre a saúde da mulher para 140 professores de 34 escolas públicas de São Carlos e região. A ação foi realizada de forma remota entre os meses de setembro e dezembro de 2020, como um projeto piloto desenvolvido com apoio da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP), e a proposta é a continuidade e ampliação da iniciativa em 2021.

O projeto "Ações Intersetoriais" foi coordenado pelo professor Humberto Hirakawa, docente do Departamento de Medicina (DMed) da UFSCar e integrante da SOGESP-Ribeirão Preto, e teve a participação de outros docentes da Instituição - Rodrigo Alves Ferreira e Carla Polido, do DMed, e Monika Wernet, do Departamento de Enfermagem. Os encontros remotos foram realizados quinzenalmente com professores dos ensinos Fundamental II e Médio de escolas públicas das cidades de São Carlos, Descalvado, Ribeirão Bonito, Dourado, Itirapina, Corumbataí e Ibaté.

De acordo com o Hirakawa, o objetivo do projeto "foi difundir conhecimentos técnicos na área da saúde da mulher por meio de um agente social de alta penetrância e modificador da realidade que é o professor. Além disso, a ideia também foi inibir a propagação de crenças e mitos não embasados em fatos, que acontece em função do despreparo para a temática observada atualmente", descreveu o docente da UFSCar. As palestras virtuais abordaram temas variados, como: sexualidade, gravidez, funcionamento do organismo feminino, contracepção e Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), com uma abordagem especial sobre mulheres em situação de vulnerabilidade.

Ideia e contribuição

O projeto surgiu a partir de uma experiência pessoal do professor Hirakawa durante uma atividade escolar de seus filhos. "Acompanhando uma visita escolar de meus filhos pequenos a um laboratório, eu me pus a comentar os modelos anatômicos. Uma criança, cuja mãe estava grávida, pediu para eu mostrar o bonequinho dentro do útero. Ao apontar por onde sairia, a professora comentou: 'Ai, credo, que dor!' Na hora pensei o quanto seria construtivo capilarizar informações em saúde bem fundamentadas entre os docentes para que pudessem compartilhá-las em sala de aula", conta o professor da UFSCar. A partir daí, o projeto "Ações Intersetoriais propôs a realização das palestras online com conteúdo científico e linguagem mais informal para os professores como forma de complementar o repertório desses profissionais junto aos alunos.

Em entrevista à SOGESP, Cristiane Toledo, professora de Ciências de uma escola de São Carlos que participou das palestras, relatou que "em pleno século XXI, ainda perduram incontáveis tabus e mitos em torno da sexualidade da mulher por todo o país. O curso desfez preconceitos e equívocos com informação precisa e cientificamente comprovada. Todas as palestras foram espetaculares esclarecendo, inclusive, dúvidas corriqueiras, já que nenhum de nós é especialista na área".

O docente da UFSCar valorizou a participação ativa dos professores que acompanharam as palestras e destacou o interesse deles na forma de abordar os temas juntos aos estudantes. Além disso, o docente reconhece a importância dessa vivência para os professores, que poderão "capilarizar essas informações pelas escolas, atingindo crianças, adolescentes e seus familiares, como multiplicadores do conhecimento a partir de dados embasados em informações técnicas", afirma Hirakawa. A organização do projeto fez um levantamento de importância da iniciativa para os participantes. Ao responder um questionário, 68,4% dos professores apontaram que a ação modificará completamente a atuação profissional em sala de aula e 80,4% identificaram a atividade como essencial para a vida pessoal também.

Lido 224 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.