A décima segunda edição da Mostra Internacional do Cinema Negro chega a São Paulo de 25 a 29 de julho. A programação destaca produções do Brasil como “O negro da senzala ao soul” (1977), “Casa Grande & Senzala” (1995), “Raça Negra” (1974), “Arte pirulitar” (2016), “Carnaval em Lá Maior” (1955), “Suzana e o presidente” (1951) e do Reino Unido, como “Abbey Community Centre, 40 years” (2016) e “A place called homechallenging perceptions and changing realities” (2015).

“O evento tem o objetivo de divulgar a dimensão pedagógica do Cinema Negro, contribuindo em favor da construção da imagem de afirmação positiva da africanidade”, afirma o cineasta, antropólogo e curador da Mostra, Prof. Celso Luiz Prudente, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). O engenheiro brasileiro Paulo Rufino, radicado em Londres, assistiu à curadoria.

A exibição dos filmes será nos dias 26 (terça), 27 (quarta) e 29 de julho (sexta), na Biblioteca Municipal Alceu Amoroso de Lima (Rua Henrique Schaumann, 777) e no Memorial da América Latina (av. Auro Soares de Moura Andrade, 664). Em todas as exibições a entrada é gratuita.