Após quase um ano e meio à frente da pasta, professor e escritor pediu, nesta quarta-feira (1), exoneração

 

Foi publicada nesta quarta-feira (dia 1º), a exoneração de Gabriel Chalita do cargo de secretário municipal de Educação, no Diário Oficial da Cidade de São Paulo. De acordo com o despacho, o desligamento atende a um pedido do próprio Chalita que estava à frente da pasta desde 15 de janeiro de 2015. No jornal também foi publicada a exoneração de Emília Maria Bezerra Sanches, que ocupava o posto de secretária-adjunta da Educação. Para o lugar de Chalita, foi nomeado Marcos Rogério de Souza, que era o chefe de gabinete da secretaria.
 

Pelo Twitter, o agora ex-secretário agradeceu aos educadores da rede municipal e ao prefeito. “Deixo hoje o cargo que honrosamente ocupei. Agradeço a confiança e o apoio de Fernando Haddad. Um prefeito educador faz toda a diferença”, postou Chalita.  “Projetos como a Escola de Tempo Integral, o Canta São Paulo, o Na Mesma Mesa, a Academia Estudantil de Letras, o Paz nas Escolas, os Indicadores de Qualidade da Educação Infantil, o Bolsa Mestrado e Doutorado, os Cinemas e a Universidade nos CEU’s, o Leia São Paulo… Todos esses projetos, construídos democraticamente com a rede deram a marca da nossa gestão”, relatou Gabriel Chalita, que também comemorou a criação de 90 mil novas vagas na rede durante sua passagem à frente da pasta.

“Um educador se move, comove-se, ao saber que 90 mil crianças, que estavam fora da escola, agora podem desenvolver seus talentos”, disse. “A educação é o alicerce para a construção de uma sociedade verdadeiramente justa.”

Chalita é cotado para compor chapa com Fernando Haddad nas eleições municipais deste ano.