Atualizado em 18 junho, 2024 às 09:59

Foto: Envato

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer
(Geraldo Vandré)


As eleições de 2024 estão se aproximando…E sempre que elas acontecem neste nosso país abençoado por Deus, as paixões se exacerbam, os políticos digladiam, e as propostas, muitas vezes, são apresentadas para nunca serem cumpridas. Eleição é época também de figuras bizarras povoarem o rádio, a televisão e, agora, as redes sociais.

Chegou a hora da disputa, eleitor por eleitor, voto por voto. Cada partido procurando o seu espaço, o seu momento de glória. E, nessa luta, as propostas se embaralham. Quem nunca foi médico quer falar sobre problemas de saúde. Os que nunca foram da Justiça querem tratar de segurança. E quem nunca foi professor se aventura a dar palpites sobre Educação. Nesse momento que é grandioso para a democracia brasileira, não podemos nos encantar com o canto da sereia.

Existe uma frase com a qual procuram atingir a classe operosa do magistério: “Professor não vota em professor!”. Ora, vamos parar com essa falácia! Muitas vezes, escutando a malfadada frase, colegas do magistério, se esquecendo que estamos onde estamos, acabam, de tanto ouvir, acreditando nessa inverdade. Professor vota em professor, sim! A dúvida é saber em qual professor votar…Como em todas as classes sociais, temos professores e professores. Todavia, devemos ter cuidado em analisar a vida de cada um. Professor que se candidata para defender única e simplesmente seus interesses, e não a classe, não merece o voto de seus pares. Nós, professores de carreira, da ativa e aposentados, temos de parar e pensar: esse colega, que hoje se lança candidato e
pretende conquistar o nosso voto, tem como retrospecto um passado de luta? Sua vida dentro do magistério lhe deu experiência necessária para defender todos aqueles que irão lhe confiar o importante sufrágio?

Se alguém disser pra você que professor não vota em professor, não confie. Fale com orgulho e espírito de luta: “Isso é o que vocês pensam! Isso é o que vocês querem! A partir de agora, vamos mudar essa história!”. Quem sabe faz a hora, não espera acontecer!

*Silvio dos Santos Martins é primeiro vice-presidente do CPP e diretor da sede regional de Tupã