Professora em sistema EAD/Reprodução

Apesar de crítico às atividades, CPP orienta que professores participem do Replanejamento para ficarem por dentro do modelo; também há preocupação com estudantes

Quando falamos em REPLANEJAR, pensamos em reformular planos previamente ajustados, correto? ERRADO. Ao menos isso não é o que está para acontecer na Rede Estadual de Ensino de São Paulo.

Previsto para os próximos dias 22, 23 e 24 de abril, o Replanejamento para o Ensino a distância, em tempos de covid-19, no entender de nossos educadores não passará de grande falácia.
 

Certo que nunca havíamos passado por situação tão caótica como a atual, momento de pandemia, em que o isolamento social se faz necessário. Entretanto, mesmo dentro desse quadro, por mais novo que seja, caberia aos nossos governantes PLANEJAREM melhor seus atos, de modo a minimizar os prejuízos para os profissionais da educação e para os estudantes, evitando assim que as coisas fiquem piores do que já estão sendo.
 

Infelizmente, não é o que ocorrerá com a educação do estado de São Paulo.
 

Em apenas três dias, a Secretaria da Educação (Seduc) pretende formar TODOS os professores e demais profissionais na modalidade EAD (Ensino a distância) – TRÊS DIAS, os senhores realmente leram certo.
 

Agora, fica a pergunta: como pensar que toda uma rede, do tamanho da do nosso estado, estará preparada para funcionar em TRÊS dias em um sistema que jamais foi pensado, discutido e avaliado?
 

Por que o governo, em vez de antecipar as férias dos professores e o recesso escolar, não aproveitou o período para promover o devido treinamento à categoria? O prejuízo seria bem menor, e os professores estariam se sentindo muito mais preparados, não na atual crise de insegurança, de COMO FAZER.
 

Como pretende o governo que TODOS os profissionais ministrem aulas online, pelo sistema do Centro de Mídias, quando muitos sequer têm os equipamentos necessários para tal? Não deveria o estado ter equipado esses professores, já que salário é VERBA ALIMENTAR, e não VERBA PARA MATERIAL DE TRABALHO?
 

Mas muito bem. Esse é o quadro triste que temos em nossa educação. Os professores deverão participar do Replanejamento nos próximos dias para que, minimamente, aprendam como será esse sistema de ensino, sob pena de, não o fazendo, terem seus dias descontados.
 

MUITOS ESTÃO NA DÚVIDA SE DEVEM OU NÃO PARTICIPAR. ORIENTAÇÃO DO CPP É DE QUE PARTICIPEM DO REPLANEJAMENTO 

No dia 27, o ano letivo retorna virtualmente. Como os professores irão ministrar suas aulas se não souberem o mínimo?
 

O fato de a orientação do CPP ser pela participação no Replanejamento em nada quer dizer que a entidade concorde com o método empregado pelo governo. Mas, se de um lado nos preocupamos com a forma empregada e com nossos associados, por outro, como educadores que somos, temos que pensar também nos estudantes. Nesse quadro desolador de covid-19, procurarmos fazer nossa parte, mesmo que pequena, de forma a minimizar seus efeitos na sociedade.
 

O CPP cobra da Secretaria da Educação não só um olhar mais atencioso para o que está acontecendo, bem como para o que irá acontecer: como será controlada a jornada do professor? Como será o apontamento de eventuais faltas? Como será controlada, até mesmo, a assiduidade dos alunos? Enfim, como tudo isso irá acontecer?
 

Paralelamente a isso, o CPP se coloca à total disposição de seus associados para que, quando retornarmos às atividades normais, aqueles que se sentirem prejudicados de alguma forma durante esse período de isolamento, pandemia, aulas a distância etc., procurem nossos serviços para que possamos ajudá-los.
 

Essa é nossa função. E você, associado, não está sozinho.