A Base Nacional Comum Curricular, documento que define o que os estudantes aprenderão a cada ano, deve incluir habilidades emocionais em seu texto final, segundo o Ministério da Educação (MEC). Iniciado em setembro de 2015, o documento deve ser aprovado em fevereiro de 2017.

A Base orientará como as escolas deverão organizar seus currículos escolares. Uma das principais críticas até o momento era a escassez de conteúdos que tratasse temas como cooperação com os outros, liderança e habilidades socioemocionais como um todo. Essa nova parte, chamada de “pessoais e sociais”, será inserida junto a outras duas macrocompetências: cognitivas e comunicacionais.

O documento deve mudar a forma como o ensino é aplicado em todo o país. Com ele, cerca de 60% do que será abordado em sala de aula seguirá a base curricular. Atualmente, cada escola – em especial da rede privada – tem autonomia para escolher a origem do conteúdo e se baseiam em diretrizes genéricas.