Embratur/Divulgação

Casos de Covid-19 aumentam 670% em um mês no estado; leitos de UTI têm taxa de ocupação de quase 90%

O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta-feira (8) a prorrogação da quarentena em São Paulo. A medida foi tomada por aconselhamento do Centro de Contingência do Coronavírus. Atualmente, o estado tem 39.928 casos confirmados de Covid-19 e 3.206 óbitos (dados de 7/5, às 14h). Os leitos de UTI estão com taxa de ocupação de 89,6%.

“O cenário é desolador. Teremos que prorrogar a quarentena até 31 de maio. Queremos, sim, em breve, anunciar a retomada gradual da economia, como, aliás, está previsto no Plano São Paulo. Mas a experiência de outros países mostra claramente o colapso no sistema de saúde e, quando isso acontece, paralisa tudo. Paralisa a indústria, o comércio, os transportes, os serviços, educação, tudo”, afirmou o governador.

Doria ressaltou que colapso na saúde aumenta o medo, a insegurança e o número de mortes. “Tudo isso traz profunda tristeza. O Brasil hoje é um país triste.” 

De acordo com informações do Centro de Contingência, refletidas pelo chefe do Executivo, a quarentena salva pessoas. Ele reforçou que são vários os estudos que mostram como o isolamento evita a difusão da doença. “Respeitem a vida, respeitem a orientação de isolamento, respeitem o seu direito de viver, o direito de viver da sua mãe, do seu pai, de seus irmãos, de seus familiares. O pior cenário é o que alia mortes e recessão”, ponderou.

Antes de passar a palavra para os técnicos em Saúde Pública, o governador reconheceu que não é tarefa fácil adotar quarentena no estado. “Nenhum governante, nenhum cidadão, nenhum ser humano tem prazer em dar más notícias. Mas não se trata de ter ou não este sentimento. Trata-se de proteger vidas no momento mais difícil e mais crítico da história deste país.”
 

Segundo o secretário de Saúde, José Henrique German, os leitos de UTI no estado têm ocupação alta, próxima de 90%. “A taxa de ocupação que observamos em UTIs no interior do estado é de 70% e em enfermaria, 51,7%. Na Grande São Paulo, a ocupação é 89,6% e da enfermaria, 54%”, disse.

German chamou atenção para importância de respeitar o isolamento, visto que a retomada das atividades depende disso. “Se não conseguirmos elevar as taxas de isolamento, nós teremos problemas para o atendimento dos pacientes. Peço a todos que fiquem em casa, salvem-se em casa. E usem máscara. Essas são as armas que temos hoje para fazer com que os números possam diminuir.”