Em ato realizado em São Paulo pelo Dia Internacional da Mulher, nesta quarta-feira (8), professores das redes estadual e municipal de educação anunciaram participação na greve geral marcada para o dia 15 (próxima quarta-feira). O movimento é convocado pela CNTE (Confederação Nacional de Trabalhadores de Educação) e tem como objetivo principal posição contrária à reforma da Previdência Social, proposta pelo governo Temer.

De acordo com participantes do movimento do dia 8, houve adesão à marcha das mulheres porque a maioria dos profissionais da educação é mulher, ou seja, elas serão as mais prejudicadas pela reforma da previdência, que tende a aumentar o tempo de contribuição e diminuir a idade mínima para se aposentar. 

No dia 21, os profissionais devem se reunir em assembleia para definir os rumos da mobilização.

Fonte: Uol Educação